Danielbiologo's Blog

Informações da PMF.

Posted in Cicloativismo by danielbiologo on 4 de agosto de 2011

Rua Osni Ortiga ASSASSINA !

Sim, a Rua Osni Ortiga que margeia uma parte da Lagoa da Conceição é ASSASSINA porque meia dúzia de pessoas com poder de decisão,  não tem “coragem” para enfrentar alguns MALtoristas individualistas e egoístas que acham que esta via é uma pista de corrida.

Fazem alguns minutos fui “jogado” por um carro para fora da pista e no inexistente acostamento quase fui para dentro da Lagoa. Sim, “imbecis” instalaram tachões sobre o único espaço que nós ciclistas tinhamos para transitar por esta via. Após ter “caído” no chão ao lado da pista nenhum carro parou, demonstrando mais uma vez o “pensamento” de uma “grande maioria” de pessoas que andam de carro e  que pedestres e ciclistas estão no lugar errado, pois só eles com seus “motorizados poluidores” tem o direito de andar nas ruas e se acham os donos do mundo.
 Por que fui ao chão?
Por sorte vinha bem devagar e quando este idiota do carro passou raspando meu guidão, puxei a Bici para o lado direito, como estava com minha Bicicleta urbana aro 20 ao passar sobre o tachão, me desequilibrei e, para não cair para o lado do asfalto, onde carros passam sempre muita acima do absurdo limite permitido de velocidade de 60 km/h,  me joguei para o lado da Lagoa. Ao me levantar, antes de ficar em pé registrei minha visão. Claramente observamos os tachões e a total falta de espaço para um mínimo de segurança de pedestres e ciclistas. Há anos a Comunidade local vem reivindicando infraestrutura viária(movimentociclovianalagoaja), leia-se passeios, ciclovia e REDUTORES de VELOCIDADE  e nada acontece por aqui !!!


Nestas duas fotos podemos observar a faixa branca com tachões, ocupando o único e inseguro lugar por onde poderíamos passar com nossas Bicicletas. De um lado automotores quase sempre em excesso de velocidade (o limite autorizado de 60km/h,  já é incompatível com a vida) e do outro um guardrail. Este é o respeito que a administração de Floripa tem com seus moradores.

 

Duas fotos da ASSASSINA Rua Osni Ortiga na Lagoa da Conceição/Ilha de Santa Catarina/Florianópolis/SC.
Levantando e iniciando o pedal de retorno e uma imagem da via, onde apenas o caminho dos carros é existente, pessoas, ciclistas e outros não são bem vindos nesta cidade.

Esta é a terceira vez que sou “atingido” por um carro nesta via. Eu estava transitando com meu veículo dentro da LEI. Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores. De qualquer forma não consigo “entender”que seja necessário uma LEI, sendo que apenas o BOM SENSO e um pingo de inteligência para estes motoristas, seriam suficientes.
São infrações:
Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta.
Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito, ao ultrapassar ciclista.


A história se repete !!!

A história se repete.

Mais uma vez é o transporte individual é que tem, a prioridade.

A rua Osni Ortiga que margeia uma parte da Lagoa da Conceição, desde sua implantação, nunca teve acostamento, muito menos um passeio ou ciclovia. A questão, infelizmente, é comum em diversos lugares, pois apenas o caminho dos carros é previsto e/ou implantado.

Esta via é provavelmente uma das mais perigosas de Floripa, pelo extremo mal uso que uma grande parcela de MALtoristas com comportamento individualista, egoísta, irresponsável e imprudente insistem em ter ao transitar por ela.

Dias atrás, um recapeamento, uma fina camada de asfalto foi colocada sem necessidade, mas o caminho das pessoas a pé, de Bike nem foi “cogitado”, permanecem os buracos, desníveis e outros. Um cadeirante não pode ter o prazer de passear pela orla? Pedestres e  Ciclistas? Todos que utilizam esta via, acabam sofrendo sérios riscos (inclusive risco de morte) ao transitar por aqui.

Ultrapassagens em alta velocidade mesmo com faixa dupla são constantes, o excesso de velocidade é quase uma regra. Motorizados de todo tipo transitam por aqui sem nenhum respeito as Leis ou a Vida de qualquer um!

Há muito mais de uma década que a comunidade pede a implantação de estruturas viárias, tais como um passeio e Ciclovia, além de equipamentos para reduzir a alta velocidade dos motorizados.

Temos até uma curva com o nome de; Curva da Morte.

Por experiência própria que já fui atingido duas vezes por carros sempre desrespeitando s Lei e todo o resto. As duas vezes estava treinando a pé (correndo)  pelo inexistente acostamento. Uma vez uma “grande camionete” ultrapassa na curva com faixa dupla e tachões e atinge com o espelho retrovisor meu ombro e braço, não precisa dizer que o MALtorista percebeu, mas simplesmente acelerou ainda mais e sumiu …outra vez, foi um carro pequeno que bateu na minha perna.

Placas de sinalização são constantemente danificadas, regras de trânsito são muitas vezes ignoradas e o desrespeito a Vida dos mais frágeis no trânsito, fazem com as ruas de Floripa sejam ambientes hostis aos pedestres, ciclistas e cadeirantes. As cidades foram feitas para as pessoas e assim sendo, temos que repensar e reformular a idéia da priorização dos carros nas cidades. Temos que devolver o espaço das pessoas, atualmente tomados pela “força bruta” de toneladas de ferro e aço com seus motores que vomitam gases tóxicos no ar que respiramos!

Bicicletada da Lagoa de outubro

Posted in Uncategorized by danielbiologo on 9 de outubro de 2010

A Bicicletada da Lagoa de outubro aconteceu com poucos ciclistas, apenas cinco !!! Enquanto esperava dar 15h, garotos empinavam com bastante destreza suas Bikes. 15h e um minuto partimos para dar a volta no Canto da Lagoa e sem muitas paradas, uma mais demorada para calibrar os pneus das magrelas, pedalamos 10,8 km em aproximadamente 44min.

Este veículo não polui ! Bicicleta na Rua, Cidade Limpa ! Ciclovia na Lagoa Já !

Carros, postes, lixeiras no meio do passeio!!! Calçadas foram feitas para pedestres !!!

Representação do percurso realizado e o recado “pintado” no asfalto. Não sei quem foi mas, sei que é o desejo da população, ter  ciclovias e passeios para que tenhamos um mínimo de segurança para transitar pela Lagoa.

Dados do pedal.

Meus dias durante a Semana da Mobilidade Sustentável/Floripa/2010

Posted in Imagens & Fotos, Meio Ambiente, Pedala Floripa e Bicicletas por aí..., Publicados por aí ... by danielbiologo on 26 de setembro de 2010

Um relato por fotos, clique nas fotinhos;

Foi realmente uma semana cheia com o trabalho e outras atividades. Perdi um e outro compromisso devido a “imobilidade urbana” decorrentes da priorização de apenas um modal de transporte, o carro. Dois dias fui “obrigado” a usar meu carro para cumprir com a agenda da minha filhota.

A “chateação” de ter que ficar de pé com minha filhota por um bom tempo em ônibus lotado e com certo nível de estresse por “solicitar” e/ou abrir janela em dia de chuva, quando quase todos se fecham deixando o ar interno “irrespirável”, volta e meia gerando discussão. Decido descer e caminhar na chuva e acabo por deixar de fazer algumas coisas depois, por estar molhado.

O mais intrigante é que quase todos sabem do problema, concordam que algo deve ser feito mas, não deixam de usar o transporte individual motorizado, e estes mesmos motoristas ainda me dizem que gostariam de ter a “coragem” que eu tenho de andar de Bike na rua mas, tem muito medo dos motoristas?? Dá para entender, eles tem medo deles mesmos????

A Semana teve como última atividade prática, a Bicicletada da Lagoa e mais uma vez me deixam “a pensar”. Poucos ciclistas da comunidade aparecem nas Bicicletadas mas, para reclamar aí, tem um monte de gente. Mesmo assim a participação de diversos ciclistas de diferentes partes da cidade abrilhantaram este pedal. E nesta Bicicletada vi uma coisa que me deixaria muito feliz de ver e participar, um “Pedal Unificado”, sim uma pedalada com todos os ciclistas de todos os grupos para uma pedalada de “responsa”. Fácil, fácil juntamos mais de 100 e quero ver essa Massa Crítica rodar por aí, estimulando outros a se juntar e pedalar por uma cidade muito mais humana e limpa!

E VAMOS PEDALAR !!!

1º Passeio Ciclístico de São José.

Posted in Pedala Floripa e Bicicletas por aí... by danielbiologo on 19 de setembro de 2010

…. saí de casa 12:20h e conforme “combinei” o horário nas listas de e-mail, cheguei debaixo da Ponte Pedro Ivo as 13h, aqui quando atravessava a BeiraMarNorte cometi uma pequena “barbeiragem “, ao trocar de marcha quando subia a calçada que separa as vias dos motorizados, fazendo minha corrente “cair”. Parei e recoloquei a mesma. Atravessei a ponte para em seguida estar pedalando pelo continente em direção a BeiraMar de São José, cheguei cedo e pouco a pouco os ciclistas foram aparecendo. Fila para fazer inscrição e pegar água, na pressa de sair de casa deixei a minha na geladeira, então peguei duas garrafinhas e rapidamente tomei uma. Entre conversas e reencontros com amigas e amigos ciclistas o tempo foi passando até o momento da partida, o passeio teve basicamente o mesmo percurso do Dia do Pedal do SESC, outro relato>Dia do Pedal do SESC. A realização deste evento foi da Prefeitura Municipal de São José, através da Secretaria de Segurança, Defesa Social e Trânsito, da Guarda Municipal de São José e do grupo Pedal do Continente com apoio da ViaCiclo e outros (ver cartaz nas fotos). O passeio foi tranquilo e mais de cem bicicletas transitaram pelas ruas, o que chateia é a necessidade de escolta policial para pedalar com segurança nas ruas, tudo devido a imprudência e irresponsabilidade de uma bando de MALtoristas mesmo assim todos os ciclistas se divertiram passearam sem poluição, sem barulho, a não ser um garoto que insistia em ficar buzinando atormentando a todos. A Bicicleta é o mais eficiente veículo para áreas urbanas. Após 4,3km do percurso do passeio, na chegada teve o sorteio de brindes aos participantes, enquanto conversava com a Turma do Pedal Continente escutei meu nome, ganhei uma bicicleta!  Ainda não sei o que vou fazer com ela, estou pensando como sortear ou fazer outro concurso (como foi o primeiro concurso, frases das crianças) para incluir nas ações do Movimento Ciclovia na Lagoa Já, que vem “lutando” pela implantação da Ciclovia e do Passeio ao longo da perigosa rua Osni Ortiga (pelo desrespeito ao CTB,  principalmente dos limites de velocidade) .

Clique sobre as miniaturas, para ver as fotos do dia.

Clique sobre o nome do grupo Pedal do Continente, para ver mais fotos.

Agora eu iniciava o retorno, o vento soprava forte e resolvi ir pela beiraMarNorte e depois subir o Morro da Lagoa para não pedalar contra o vento. Pouco antes de chegar na Ponte me encontro com ciclistas que voltavam para a Ilha e resolvi acompanhar e conversando pedalamos até perto do TITRI onde me separei e me dirigi ao Café dos Esportes para tomar “algo” e fazer um lanche, ao chegar o mesmo estava fechado. Prossegui e passei pela Madre Benvenuta e depois pela SC- 404 que sobe e desce o Morro da Lagoa. Parei no centrinho para tomar uma cervejinha, que além de precisar estava merecendo, mas não fiquei e resolvi enfrentar a Osni Ortiga. Hoje tive sorte aqui, na sua entrada temos umas dezenas de metros que a via é simples, sem acostamento ou passeio e de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro em seu Art.:58 Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores. Parágrafo único. A autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via poderá autorizar a circulação de bicicletas no sentido contrário ao fluxo dos veículos automotores, desde que dotado o trecho com ciclofaixa., então sigo a Lei mas MALtoristas individualistas desrespeitam a Lei e todo e qualquer “bom senso”e por vezes jogam o carro para cima de ciclistas e pedestres, e como disse no início da frase hoje tive sorte de encontrar um motorista “racional” pois esperou um local para me ultrapassar assim que este trecho “crítico” terminou. Mas em seguida a dura realidade estava de volta, carros muito acima do já elevado limite de velocidade permitido para uma via com estas características, iniciam um “ataque” de ultrapassagens muito perto de minha bicicleta, acelerando, contrariando mais dois Artigos do CTB que dizem –Art.:201 Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinquenta centimetros ao passar ou ultrapassar Bicicletas e Art.:220 Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança de trânsito / XIII- ao ultrapassar ciclista. Infração: gravíssima.

Antes de ir para casa parei no shopdog, onde reabasteci e descansei por uns quinze minutos.

O pedal ficou em 56km.

Estréia da minha Bici X Bicicletada dos Namorados

Posted in Meio Ambiente, Pedala Floripa e Bicicletas por aí... by danielbiologo on 13 de junho de 2010

Primeira noite, dormiu na sala.

 

Primeira vez na Rua.

Quinta feira dia 10 de junho, peguei minha Bici zero km e a primeira coisa que fiz foi instalar o ciclocomputador para saber aqueles dados que precisamos, eu me importo basicamente com distância, velocidade e tempo as outras funções nem uso, são oito. Calibrei os pneus com 90 psi ajustei o selim e coloquei o pedal com clip. Nesta noite teria o pedal próximo de casa, do Duas Rodas, estava com vontade de estrear hoje a noite mesmo. Por probleminhas de saude em casa tive que deixar de pedalar no primeiro dia com a Bicicleta nova.

Doze de junho, Dia dos Namorados e segundo sábado do mês, dia da Bicicletada da Lagoa. Minha filhota um pouco chateada que não iria em sua festinha junina mas, expliquei a ela, bem acho que aceitou. Meio dia almocei pão de queijo com cerveja, carbohidratos para o pedal. Tirei um cochilo de meia hora e depois teclei um pouco pelo msn e as 14h saí de casa. Entrei no asfalto e comecei a pedalar. Para testar a Bici resolvi subir o Morro do Badejo em direção ao centrinho da Lagoa, quando cheguei no topo olhei para o relógio e eram 14:16h resolvi continuar pois daria tempo de sobra, para dar a volta no Canto. Sem forçar pois estava passeando, mas algumas vezes fiquei um pouco ofegante, dei a volta e me surpreendi com o tempo; 22min cravados! A volta tem 10,3km com o Morro do Badejo no meio e algumas subidas leves e o trânsito na região do centrinho. Após passar a ponte e entrar na Av. das Rendeiras cheguei na rua Osni Ortiga e sempre que entro nela percebo como esta rua é “assassina” não pelo seu asfalto ou suas curvas e sim, por uma boa parcela de MALtoristas (estúpidos impacientes) que transformam seus carros em máquinas de atropelar!!! Muitos passaram sem reduzir a velocidade e tirando “finas” dos outros ciclistas e de mim, Maltoristas em ultrapassagens com faixa dupla, em curvas e um caminhão que literalmente empurrou os ciclistas e os carros na contramão, “grande quis se impor”?

Cheguei no caldodecana.com onde me abasteci com caldo de cana gelado, pois novamente esqueci minha garrafa de água na geladeira e mesmo sendo pedal relativamente curto, aquele “golinho” d’água faz falta.

14:45h fui ao pátio da AMPOLA esperar a galera. 15h e ainda não havia ninguém, apesar de inúmeros ciclistas que passavam em todas as direções, o dia e a temperatura estava ótimas para pedalar. 14:15 em quatro ciclistas decidimos sair para pedalar e tomar um café no centrinho da Lagoa. Apesar do pequeno número de ciclistas tinhamos aqui três países, Brasil, Austrália e Itália e além de realizar uma atividade saudável, exercitamos um segundo idioma. Bicicletada também é Cultura! Fomos até a beira da Lagoa quase na Ponta das Almas e depois para o centrinho onde conseguimos um espaço para as Bicicletas bem ao nosso lado (segurança para elas, né?) e onde tomamos um café, minto eu tomei uma cerva (long neck, só uma), depois de papear por uma meia hora retomamos o pedal. O Robert (Australiano) foi para seu Hostel e o Andrea (Italiano) e esposa ficaram no canto onde moram. Daqui pedalaria sozinho e pouco antes de chegar no trevo do Canto, entrei pela trilha que dá acesso ao Palmeirinha para andar em estrada de chão e areia, testando de leve a Bici. Acabei por dar duas voltas no Canto da Lagoa uma “quase” sem parar, a verdadeira estréia e depois na Bicicletada.


Mesmo estando um lindo dia a comunidade/moradores não apareceram. Mas isso parece ser característico do nosso povo, e depois reclamam do Governo, da Prefeitura, do fulano, do ciclano …. e nós cidadãos o que fazemos? Reclamar não resolve, temos que agir. Eu tenho me sacrificado em tempo, dinheiro e “cancelando” compromissos pessoais e familiares em favor do Movimento Ciclovia na Lagoa Já e pelo Respeito aos Ciclistas. Reclamo mas, faço porque “gosto” e acredito que podemos ter o Respeito nas ruas, o dinheiro que “gasto” vejo como investimento no futuro do meu bairro, ou seja, refletindo na minha qualidade de vida. O que me chateia mesmo é a não participação de grande parte da comunidade , que só aparece para reclamar, e sem competência para tal!