Danielbiologo's Blog

Pela falta de Bom Senso e Cultura (ciclística) perdi a aula ….

Saí um pouco depois do horário, pouco atrasado para a aula. Pedalando tranquilo, pois já estava atrasado mesmo, segui meu caminho pela Av. das Rendeiras, logo na saída da ponte um LandRover em alta velocidade ultrapassa neste local totalmente sem condições empurrando outros carros para os inexistentes acostamentos e eu ainda fiquei no meio desta confusão com minha Bicicleta. Impressionante mas, o individualismo e falta de respeito com os demais, gerando risco real de morte , parece aumentar proporcionalmente com o valor do carro e com “certeza” da impunidade !!!


Comecei a subida do Morro da Lagoa e poucos minutos depois um ônibus da transol, sem reduzir a velocidade e sequer um leve desvio para me ultrapassar com um mínimo de segurança, passa por mim como se eu não estivesse ali, desrespeitando os Art. 201 e 220 do CTB. Para logo em seguida ficar “parado” no congestionamento ainda ‘pequeno’ por ser um sábado,  e o pior de tudo é que este deveria ser um motorista profissional!!!

Aproximadamente 9h cheguei na universidade e como sempre iniciei a subida pela rampa levando comigo a
Bicicleta, ao final da rampa fui questionado pela segurança patrimonial aonde estava indo, respondi que para a sala de aula e prontamente falou que não poderia levar a Bici junto. Respondi, ok, afinal eu estava errado e como não tinha onde deixar meu veículo fui embora! Infelizmente isto é um reflexo da total falta de cultura e bom senso de nossa Sociedade. Nesta universidade há um estacionamento enorme para carros, e mesmo assim  estacionam de qualquer forma, em frente a rampa para cadeirantes e em outros locais proibidos e ninguém fala NADA e ainda transitam por aqui em velocidades nada compatíveis com um “estacionamento”, e ninguém reclama?
Instalam umas “porcarias” de estruturas “entorta rodas” de bicicletas em locais “escondidos” e querem que eu deixe minha Bici, que custa mais que meu salário mensal, literalmente abandonada?
Eu estava errado de ir de Bicicleta? Se tivesse ido de carro eu teria local seguro para o mesmo e ainda poderia estacionar onde quiser, como outros fazem e ninguém reclamaria,  afinal de carro deixam? Será que temos que começar a atropelar pessoas, estacionar sobre os passeios, impedir cadeirantes de transitar, bloquear passagens, buzinar, andar quase sempre em alta velocidade colocando em risco de morte todos que estiverem na frente, como fazem quase todos os motorizados, para que tenhamos respeito também?
Pois é, tá difícil aguentar a total falta de respeito, principalmente pelos motorizados, quando se é Pedestre ou Ciclista!!!

Bem podem notar pelo parágrafo acima que estava realmente chateado e muito transtornado pela total falta de bom senso, de respeito, falta “de tudo”. Resolvi então sair para pedalar sem destino, pedalar para gastar as energias, pedalava forte seguindo as ruas sem saber onde ir, só queria pedalar descarregar a energia, pedalar, pedalar…….
Lembrei que hoje acontecia o pedal do Projeto Novos Horizontes e resolvi tentar encontrar a turma. Continuava pedalando forte buscando a galera, quando cruzava a SC enxerguei eles no acostamento, algumas apitadas e a galera sabia que era eu. Nos encontramos e retomamos a pedalada, entre conversas e risadas, ‘minha chateação’ começou a sumir. Paramos num bistrô onde tomamos um café, água e comemos um pouco. Abastecidos continuamos a pedalar, entre várias subidas acabamos por fazer um belo exercício. Retornamos ao Café dos Esportes onde sentamos para comemorar os seis meses, conversar e dar risadas e já pensando no aniversário de 1 ano do Projeto Novos Horizontes.

Clique sobre as fotos das Bicicletas tandem para ver outras fotos deste pedal.


No topo do Morro da Lagoa, faltando menos de 3 km para fechar 100 km.

Comecei mal este sábado mas, graças a minha bicicleta consegui pelo menos melhorar meu “humor”, mesmo tendo sido “obrigado” a perder compromissos profissionais.

Pedalei mais de 10o km neste sábado…. 

Cicloviagem até Ushuaia …

Posted in Pedaladas... by danielbiologo on 16 de agosto de 2011

Hoje (15/08/11) fui assistir a “palestra” do casal de Cicloamigos Luísa e Gil, no Café dos Esportes. Uma apresentação na forma de um bate papo, relatando um pouco desta cicloaventura. Mais detalhes e outros, podem ser vistos em seu blog: www.cicloterras.wordpress.com

Motoristas, Respeitem o CTB !

Publicado do DC de 27/jul/11, clique sobre o recorte do jornal para ir ao original on-line.
Ontem (ver aqui) fui jogado para fora da rua por um MALtorista individualista, egoísta, imprudente, irresponsável e possível criminoso. Se eu não tivesse um pouco de experiência sobre minha Bicicleta, um grave sinistro de trânsito com feridos e até morte poderia ter acontecido. Por causa disto e de tantos MALtoristas, é que temos uma grande demanda reprimida de pessoas que gostariam de caminhar e utilizar a Bicicleta como transporte nas ruas das cidades e não o fazem, pelo MEDO REAL de serem “atropeladas” pelo extremo mal e mau uso dos automotores.

Cheguei em casa “BASTANTE CHATEADO” e preocupado pelo comportamento de uma grande parcela de pessoas que só pensam em seu “próprio umbigo”, acham que a rua é propriedade particular e podem fazer o que quiserem.
Certamente estes comportamentos são reflexos da IMPUNIDADE instaurada em nossa Sociedade e que transformam nosso trânsito em um dos maiores desastres sócioambientais, responsáveis por milhares de vítimas e gastos absurdos de dinheiro, simplesmente pelo enorme desrespeito ao Código de Trânsito Brasileiro.


Lembrando que podemos ser donos de um carro,

mas não somos donos das ruas.

São Infrações;
Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta.
Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito, ao ultrapassar ciclista.

Ao chegar em casa fiz o relato, escrevi para a Prefeitura Municipal de Florianópolis e para a mídia impressa. Está cada vez mais difícil o trânsito em nossas ruas. O excesso de carros, as absurdas velocidades “autorizadas” aos automotores de transitarem na área urbana e este profundo desrespeito as regras de circulação, como exemplos cito os Art. 201 e 220 do CTB e o estacionamento sobre passeios e em locais proibidos são responsáveis por grande parte dos congestionamentos e sinistros de trânsito, além de causar enorme risco aos pedestres que tem seus caminhos bloqueados e da mesma forma os ciclistas que tem o bordo da pista também bloqueados pelo estacionamento irregular.
Chega a ser “engraçado” (ou seria triste?) perceber que uma parcela de motoristas dos carros, reclamam de pedestres e ciclistas que andam muitas vezes mais rápido que ele nos congestionamentos, mas não reclamam daquele MALtorista que estacionou o carro na sua frente impedindo o fluxo do trânsito. A grande parte dos congestionamentos são causados pelos próprios motorizados que não respeitam um mínimo de Bom Senso e as próprias LEIS.

“Cidades com maior número de Bicicletas nas ruas, apresentam uma melhor qualidade de vida”

Manual da Bicicleta, você leu?

Posted in Pedala Floripa e Bicicletas por aí..., Pedaladas... by danielbiologo on 27 de julho de 2011

Dias atrás estava conversando com um amigo ciclista sobre Bicicletas novas, naquele momento eu reparei que em sua Bicicleta não havia refletivos. Apesar de ter luz dianteira e traseira, perguntei sobre eles, a resposta, que ele havia retirado todos!  Eu, ao contrario, disse que inclusive coloco a mais, alguns adesivos refletivos na minha Bicicleta. E no manual recomenda a não retirar os mesmos, foi então que surgiu então a discussão sobre os “manuais do proprietário”.

Eu disse -Sempre leio o manual, acho importante.
Ele disse -Eu não, pois não tem nada que não saiba, escrito neles!

Em casa arrumando os “documentos” das minhas Bicicletas, acabei folhando o manual de minha última Bicicleta adquirida (meu de presente de aniversário) e reparei quantas informações “importantes” são mostradas e como várias destas mesmas “recomendações” são ignoradas por muitos ciclistas.

Rapidamente notei neste manual e que podem diferir um pouco de acordo com as marcas e modelos, mais de 32 pontos realçados pedindo atenção e junto com textos mais explicativos. Parece chato, mas algumas informações são fundamentais para nossa segurança e durabilidade da Bicicleta.
Os pontos destacados no manual são:

1. Assegurar que as crianças sempre vistam o capacete ao utilizar a Bicicleta.

2. A força de aperto adequada em parafusos, porcas e engates é muito importante.

3. Manoplas soltas ou desgastadas, podem causar danos físicos e risco de queda.

4. Bicicletas devem dispor e utilizar alguns equipamentos de segurança, de acordo com o “CTB”. É responsabilidade do ciclista conhecer e obedecer as Leis.

5. Capacete danificados e mal ajustado/vestido, poderão acarretar em ferimentos ou morte em caso de queda.

 6. Mal tempo e chuva afetam tração, frenagem e visibilidade, para Ciclistas e outros compartilhando as ruas. Os riscos de acidentes são aumentados dramaticamente em ruas molhadas.

7. Refletivos não substituem luzes. Pedalar a noite e em outros momentos de visibilidade reduzida sem um sistema de iluminação na Bicicleta é perigoso e pode acarretar em ferimentos ou morte.

8. Não retire os refletivos da sua Bicicleta. Eles são fazem parte da segurança visual da Bicicleta. Sua remoção reduzem a visibilidade para outros veículos, aumentando os riscos de sinistros de trânsito.

9. Diversos comerciais e revistas utilizam cenas de atletas Ciclistas, muitos deles profissionais em ação, lembramos que saltos, velocidade e outros, são atividades de risco que devem ser acompanhados dos equipamentos, locais e treinos adequados, caso contrario os riscos de ferimentos e morte são bastante aumentados.

10. Qualquer modificação, instalação  de acessórios ou componentes de má qualidade, podem acarretar em ferimentos e morte.

11. A Bicicleta deve ser adequada, tamanho e uso com o Ciclista, (Bicicleta é como um sapato deve ser confortável e no tamanho certo-grifo meu).

 12. A Bicicleta deve ser adequada ao seu propósito, passeio, mtb, velocidade, etc.

13. O ajuste do selim e canote são fundamentais para o conforto. Um selim mal ajustado e danificado podem acarretar em sérios riscos de ferimentos e até perder o controle da Bicicleta.

14. Muitos ciclistas reclamam do selim, isto normalmente ocorre por mal ajuste e posicionamento, acarretando em um suporte errado na área pélvica ocasionando pequenas ou maiores lesões em nervos e vasos sanguíneos, eventualmente impotência.

15. Os limites mínimos de inserção do canote do selim deve ser respeitado.

16. O posicionamento dos manetes d freio é fundamental para obter eficiência na força de frenagem.

17. Conheça e verifique sempre os ajustes dos engates rápidos das rodas. Uma roda solta pode acarretar em queda com sérios riscos de ferimentos e morte. A correta fixação dos engates rápidos dos eixos das rodas exigem uma força considerável.

18. Se sua Bicicleta é equipada com sistema de marchas embutidas no cubo traseiro, não remova a roda traseira sem assistência técnica especializada. (caso da minha nova Bicicleta).

19. No caso de selim com trava manual seu aperto deve ser adequado para evitar que o selim gire e ocasione risco de perder o controle da Bicicleta.

20. Pilotar com freios desajustados. Pressionar os freios com muita força podem tarvar as rodas. No caso de freios a disco familiarize-se com eles antes. Freios a disco podem se tornar muito quentes apos frenagens, não toque nos discos até que resfriem, risco de queimaduras. Mantenha os freios regulados e vistoriados com freqüência.

21. Acostume-se e conheça o câmbio da Bicicleta. Câmbio regulado e lubrificado é fundamental para uma boa pedalada (consulte seu mecânico).

22. Peça ajuda, para determinar a correta combinação do tamanho do quadro, tamanho do pedivela, tipo de pedal e tipo de “calçados” adequados.

23. O uso de pedal com clip e sapatilhas requerem uma certa prática para uso.|

24. Mantenha a suspensão regulada e limpa. Seu ajuste modifica as características de dirigibilidade e estabilidade.

25. Respeite sempre os limites de pressão indicados na lateral do pneu. Cuidado ao calibrar pneus em postos, pois estes equipamentos atuam com grandes volumes de ar podendo danificar o pneu e causar riscos de lesões.

26. É impossível para apenas este manual prover todas as informações para reparo e manutenção de sua Bicicleta. Muitos dos serviços e reparos necessitam de equipamentos e conhecimentos especializados.

27. Como qualquer equipamento, a Bicicleta está sujeita a desgastes e “estresse”ao uso, por isso o acompanhamento se faz necessário. Os ciclos de durabilidade dos materiais podem varias dependendo do uso.

28. Impacto ou quedas fortes podem fatigar os materiais e componentes, vistoriar frequentemente  a Bicicleta poderá reduzir drasticamente as chances de falhas do equipamento.

29. Ciclismo é uma atividade com riscos, esteja atento.

30. Pilotar a Bicicleta no trânsito podem gerar sérios riscos de ferimentos e morte.  Preste muita atenção ao compartilhar as ruas.

31. Conhecer sua Bicicleta e saber qual sua indicação de uso é fundamental. 

32. Faça uma inspeção da sua Bicicleta frequentemente.

E aí? Quantas dessas “coisas” sabíamos e quantas delas a gente realiza? hehehe

E vamos pedalando ….

Rua Osni Ortiga ASSASSINA !

Sim, a Rua Osni Ortiga que margeia uma parte da Lagoa da Conceição é ASSASSINA porque meia dúzia de pessoas com poder de decisão,  não tem “coragem” para enfrentar alguns MALtoristas individualistas e egoístas que acham que esta via é uma pista de corrida.

Fazem alguns minutos fui “jogado” por um carro para fora da pista e no inexistente acostamento quase fui para dentro da Lagoa. Sim, “imbecis” instalaram tachões sobre o único espaço que nós ciclistas tinhamos para transitar por esta via. Após ter “caído” no chão ao lado da pista nenhum carro parou, demonstrando mais uma vez o “pensamento” de uma “grande maioria” de pessoas que andam de carro e  que pedestres e ciclistas estão no lugar errado, pois só eles com seus “motorizados poluidores” tem o direito de andar nas ruas e se acham os donos do mundo.
 Por que fui ao chão?
Por sorte vinha bem devagar e quando este idiota do carro passou raspando meu guidão, puxei a Bici para o lado direito, como estava com minha Bicicleta urbana aro 20 ao passar sobre o tachão, me desequilibrei e, para não cair para o lado do asfalto, onde carros passam sempre muita acima do absurdo limite permitido de velocidade de 60 km/h,  me joguei para o lado da Lagoa. Ao me levantar, antes de ficar em pé registrei minha visão. Claramente observamos os tachões e a total falta de espaço para um mínimo de segurança de pedestres e ciclistas. Há anos a Comunidade local vem reivindicando infraestrutura viária(movimentociclovianalagoaja), leia-se passeios, ciclovia e REDUTORES de VELOCIDADE  e nada acontece por aqui !!!


Nestas duas fotos podemos observar a faixa branca com tachões, ocupando o único e inseguro lugar por onde poderíamos passar com nossas Bicicletas. De um lado automotores quase sempre em excesso de velocidade (o limite autorizado de 60km/h,  já é incompatível com a vida) e do outro um guardrail. Este é o respeito que a administração de Floripa tem com seus moradores.

 

Duas fotos da ASSASSINA Rua Osni Ortiga na Lagoa da Conceição/Ilha de Santa Catarina/Florianópolis/SC.
Levantando e iniciando o pedal de retorno e uma imagem da via, onde apenas o caminho dos carros é existente, pessoas, ciclistas e outros não são bem vindos nesta cidade.

Esta é a terceira vez que sou “atingido” por um carro nesta via. Eu estava transitando com meu veículo dentro da LEI. Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores. De qualquer forma não consigo “entender”que seja necessário uma LEI, sendo que apenas o BOM SENSO e um pingo de inteligência para estes motoristas, seriam suficientes.
São infrações:
Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta.
Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veículo de forma compatível com a segurança do trânsito, ao ultrapassar ciclista.