Danielbiologo's Blog

Pedalando para o Futuro.

Pedalando para o futuro (cotidiano.ufsc.br)

Bicicleta é uma das alternativas para solucionar problemas em Florianópolis

Por Arianna Fonseca
aariannaf@gmail.com
08/09/2011
O excesso de carro nas ruas e seu uso como principal meio de transporte em Florianópolis está gerando uma crise de circulação na capital. Considerada a cidade com pior mobilidade urbana no Brasil, vários estudos estão sendo feitos para mudar essa perspectiva e solucionar o problema dos freqüentes congestionamentos. Para isso, as alternativas mais viáveis ainda são de utilizar o transporte coletivo por ter mais pessoas num menor espaço físico ou usar a bicicleta como um meio ágil, saudável, econômico e ecológico de se locomover, principalmente em trechos pequenos.
Uma infra-estrutura adequada com bicicletários, ciclovias e ciclofaixas seguras são necessárias para mobilizar a população e aumentar o número de ciclistas. De acordo com o presidente da Viaciclo (Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis) Daniel de Araujo Costa, não há muitas estatísticas sobre o uso de bicicletas na cidade, mas nota-se que desde 2001, quando a Viaciclo foi criada, (o número de ciclistas tem aumentado muito) hoje estimamos uma parcela de pessoas de 20 a 30% como uma demanda reprimida que quer utilizar a Bicicleta em seu cotidiano. Os benefícios são tanto para a saúde melhorando o condicionamento físico da pessoa, como também para a cidade, já que não polui e evita congestionamentos.
Por melhorar a qualidade de vida das pessoas, o veículo está se tornando cada vez mais popular, tendo vários grupos de ciclistas e defensores do uso da bicicleta. Porém, a bicicleta não consegue atingir maior popularidade por diversos motivos. O risco constante decorrente da falta de segurança para trafegar nas ruas, a inexistência de locais apropriados para deixar a bicicleta e a violência são algumas razões. Costa afirma que o desrespeito dos motoristas é mais relevante e que os códigos de trânsito devem ser respeitados. “É preciso que o cidadão pense que o trânsito depende de nossas atitudes em relação aos outros”.
A professora Gisele Ammon Xavier desenvolveu junto ao Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC uma pesquisa sobre a inserção da bicicleta na política de mobilidade urbana brasileira e defende que a bicicleta possibilita o desenvolvimento sustentável. “As práticas do dia-a-dia não mudaram, mas temos uma mudança de paradigma acontecendo”, avalia Gisele.
Atualmente há uma alteração de discurso na sociedade. Estamos vivendo numa época em que a sustentabilidade está cada vez mais em pauta. João Alencar Oliveira Junior, representante da Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, afirma que “enquanto o petróleo for barato vai ser usado e com a escassez, ele vai ser substituído”. Oliveira alerta que o município que não tiver planejamento sustentável no prazo de três anos não acessará recurso federal, mostrando a importância de se repensar na questão da mobilidade urbana o quanto antes.
Para resolver isso, vários projetos de carros híbridos que poluem muito menos o ar estão sendo feitos, mas ainda é muito caro para os consumidores. Porém, essa solução futuramente pode virar outro problema: com tantos “carros limpos” na cidade, faltará espaço nas ruas para sua utilização. “A indústria está se preparando com carros que não emitem gases nocivos ao ar, mas com o mesmo tamanho dos outros carros, ainda teremos congestionamentos”, confirma o doutor em transporte Luis Antônio Lindau, da Embarq Brasil.
De acordo com o DETRAN/SC (Departamento Estadual de Trânsito de Santa Catarina), a frota de veículos motorizados em Florianópolis chegou a 279.784 em agosto deste ano, cerca de 15 mil a mais do que no mesmo período em 2010. Nota-se que essa frota está aumentando a cada mês na capital. Desse número, apenas 1711 são ônibus que circulam pela cidade.
Compare aqui os anos de 2010 e 2011.
O uso de transporte público é outra questão que deve ser avaliada pelos motoristas de carro. Se o trajeto for muito longo ou o dia não for favorável para utilizar a bicicleta, pode-se pensar nessa forma de se locomover ao lugar desejado e evitar maiores congestionamentos. Costa comenta que “é preciso um sacrifício individual para que a coletividade seja beneficiada”. E essa mudança de atitudes, mesmo que pequena, precisa ser tomada rapidamente antes que a cidade definitivamente pare.
Clique nas perguntas abaixo para ouvir a entrevista com o presidente da Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis Daniel Costa:
 1. A Semana Nacional de Trânsito, que acontece entre os dias 18 e 25 de setembro, tem a intenção de fazer a sociedade refletir sobre o modelo atual de mobilidade urbana. Qual é a programação para esse evento que também incluirá a Semana da Mobilidade Urbana e o Dia Mundial Sem Carro (22 de setembro)? 
2. A prefeitura de Florianópolis recentemente discutiu sobre a implantação do Bus Rapid Transit na cidade. Você acha que a Via Rápida vai solucionar os problemas de mobilidade na capital? 
3. Utilizando a bicicleta elétrica o esforço de se locomover é mínimo e é uma opção para quem não quer usar carro. Qual sua opinião sobre ela? 
Anúncios

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] Pedalando para o futuro, reportagem do Cotidiano/UFSC, ver aqui.  […]

  2. Pedalando para o futuro « Olho da Foca said, on 3 de novembro de 2011 at 10:11

    […] tomada rapidamente antes que a cidade definitivamente pare. Veja também nos sites: DeOlhoNaIlha, DanielBiólogo e CotidianoUfsc Gostar disto:GostoBe the first to like this […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: