Danielbiologo's Blog

Mobilidade Urbana na Ponte Hercílio Luz.

Posted in Ponte Hercílio Luz by danielbiologo on 5 de abril de 2011

A Mobilidade Urbana não são apenas os “caminhos” para o Transporte Individual Motorizado, assim como muitas outras pessoas também “pensam”. E não é uma questão se pode ou não suportar o transito de motorizados na ponte, a questão é continuar a priorizar o carro para entrar em uma ilha com os espaços “finitos”. Para melhorar a Mobilidade Urbana de Floripa é urgente a redução drástica no numero de carros nas ruas. É o unico jeito ! DanielBiólogo

5 de abril de 2011 | N° 9130

O ENGENHEIRO DA PONTE

“Sem dinheiro, não tem como dar prazo”

Consultor do Consórcio Monumento e um expert em pontes suspensas no mundo, o egípcio Khaled Mahmoud alerta para o processo de deterioração da estrutura de ferro

O engenheiro Khaled Mahmoud é o homem por trás do engenhoso projeto de restauração da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis. De origem egípcia mas com residência fixa nos EUA, Khaled foi contratado em março de 2009 pelo Consórcio Monumento, responsável pela obra, depois que inspeções na ponte detectaram um problema na estrutura até então desconhecido: a deterioração das quatro rótulas onde são apoiadas as duas torres de sustentação. Ao lado das barras de olhal no topo das torres, as rótulas são essenciais na dinâmica de sustentação da estrutura. Elas se movimentam para manter as 5,5 mil toneladas em equilíbrio. Como estão trincadas e oxidadas, as rótulas não se movem.

Diante deste novo obstáculo, Khaled orientou sobre o risco de restaurar a ponte segurando-a por cabos de aço na parte superior, como estava previsto no projeto original. Chamou atenção, ainda, para a necessidade de uma sustentação provisória na parte inferior. A partir daí, projetou-se a chamada ponte sob a ponte (veja ilustração na página 5).

O engenheiro visitou a Hercílio Luz pelo menos 10 vezes – em 2009, quase que uma vez por mês. Semanalmente, recebe relatórios técnicos e conversa com o engenheiro Cássio Magalhães, coordenador do consórcio, sobre a restauração, e mostra conhecer cada detalhe do projeto – inclusive o custo da obra e quanto já foi investido.

Khaled é um dos principais experts em pontes suspensas do mundo. O currículo dele é longo e entre os destaques está a presidência da Consultoria Tecnológica de Pontes, empresa de Nova York especializada em grandes estruturas. Participou da restauração de algumas das maiores do mundo como a Simon Kenton, Verrazano-Narrows, Bronx-Whitestone, Mid-Hudson, Throgs Neck, Triborough Suspension Bridges nos EUA e da Bordeaux Lift Bridge, na França. Editou quatro livros sobre engenharia e é presidente e fundador a Associação de Engenheiros de Ponte dos EUA.

Com experiência de 20 anos na área, Khaled afirma que a Hercílio Luz está em processo constante e ininterrupto de deterioração. Só estará segura após apoiada na sustentação provisória.

A seguir, confira os principais trechos da entrevista que ele concedeu por telefone, dos Estados Unidos, ao Diário Catarinense.

A ponte pode cair

“A ponte está em processo constante de deterioração: 24 horas por dia nos 365 dias da semana. A corrosão contínua, em parceria com outros fatores como ventos fortes e a direção destes ventos, pode levá-la ao colapso. De acordo com a posição de latitude e longitude de Florianópolis, a cidade pode ter ventos de até 155 km/h. Mas danos à ponte poderiam ocorrer mesmo na velocidade do vento inferior a 100 km/h, devido à contínua degradação, deterioração e corrosão. Todos esses fatores podem contribuir para danos graves ou colapso parcial ou total.”

Os riscos de um colapso

“Claro que a probabilidade de a Hercílio Luz cair é menor do que no caso da Silver Bridge, sua irmã gêmea que despencou em 1967. Isso porque a Silver Bridge tinha apenas duas sequências de barras de olhal. A Hercílio Luz tem quatro, mas uma está fraturada e ganhou um pequeno reparo. Desta maneira, está mais fragilizada. Assim como um se rompeu, outros podem se romper também, diante do franco processo de corrosão. A chance é menor quando comparada a outra ponte, mas existe. Um ponto a se manter sempre em mente é que um desastre é conhecido e documentado somente depois que acontece. Nosso trabalho como engenheiro é evitar desastres. No rescaldo de um colapso da ponte, qualquer quantia de dinheiro é minimizada e banalizada, comparada com a perda irreparável de vidas humanas e a perda insubstituível do patrimônio.”

Prazo x dinheiro

“Antes de falar de prazos, precisamos falar de dinheiro. Considerando a fase atual e, se a partir de agora tivermos o ritmo de investimentos necessários, a ponte fica pronta em dois anos e meio. O valor do contrato é de R$ 163 milhões. Até agora, desde 2008, foram investidos R$ 27, 6 milhões. É cerca de 15% do total em dois anos. Muito pouco. Me parece que faltam recursos, mas sem eles a restauração pode se arrastar por anos. Sem dinheiro, não tem como dar prazo.”

Estrutura provisória

“Devido à vulnerabilidade atual da ponte, na base e no topo das torres, a estrutura provisória oferece a medida de segurança necessária ao apoio da estrutura a partir de agora e até o trabalho de reabilitação ser concluído.”

Monumento x mobilidade

“Eu discordo fortemente de que a ponte não pode ser uma solução para a mobilidade da Grande Florianópolis. Eu dirijo todos os dias na Brooklin Bridge. Ela foi inaugurada em 1883, ou seja 43 anos antes da Hercílio Luz, e até hoje incorpora grande parte do fluxo de veículos de Nova York. É um grande erro achar que a Hercílio Luz não pode receber o tráfego. Com o vão central reforçado, ela pode receber transporte de massa ou carros e também pedestres. Além disso, a Ponte Hercílio Luz é um símbolo de SC e do Brasil, uma raridade em pontes no mundo, um maravilhoso patrimônio que merece ser restaurando. Quando reformada, é uma ponte que vai durar mais de 100 anos.”

Barras de olhal

“Uma coisa importante é substituir as barras de olhal por cabos de aço. Eles são mais fortes e muito mais seguros. As barras de olhal são mais frágeis às vibrações e podem se romper como uma já rompeu. Os cabos duram mais, são de fácil manutenção e fabricação. Florianópolis deve aproveitar a restauração da ponte para substituir as barras por cabos.”

Original no DC on line aqui.

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Gledson Silva said, on 5 de abril de 2011 at 09:26

    Lembro-me quando estive em Floripa. Desci no Aeroporto e fui pedalando até Biguaçu. Precisava usar a ponte para sair da ilha e ir para a parte continental… porém a passagem para bicicleta é proibida. O que não me disseram é que existe uma passagem para pedestres “escondida” (sem qualquer sinalização avisando) e eu lá, por uns 40′ pensando em como passar por ela… até que de tanto rodar, encontrei a passagem… kkkkkkk


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: