Danielbiologo's Blog

Ao trabalho de pedal…

Posted in Flora & Fauna, Imagens & Fotos, Meio Ambiente, Pedala Floripa e Bicicletas por aí... by danielbiologo on 28 de maio de 2010

Nesta semana (25a28 de maio de 2010) com treinamento/trabalho e com a dificuldade do transporte coletivo para o local, na cidade Brasileira com a pior mobilidade urbana, a solução mais eficiente novamente seria minha bicicleta. terça feira cedo peguei minha magrela e saí pedalando, a temperatura bastante agradável e o ainda quase silêncio fizeram do caminho, um cenário de “sensações”.

Fiz minha primeira parada no PC 2 do AUDAX Floripa 2010 (foto), para em seguida pedir ao Newton que liberasse a Lei da Gravitação Universal para chegar na Barra da Lagoa e iniciar a parte mais plana do pedal. Na estrada do Rio Vermelho o pedalar é muito bom mas, infelizmente temos os MALtoristas que não são poucos e, que trafegam muito acima do já elevado limite de velocidade para uma via com intenso movimento de pedestres e ciclistas. As Leis, uma atrás da outra são constantemente negligenciadas pelos MALtoristas, quase nenhum reduz a velocidade para ultrapassar e muito menos deixam de guardar uma distância segura dos ciclistas.

Um outro “problema” que passa despercebido pela maioria da população são as espécies exóticas ao longo da estrada, dentro da área do Parque Estadual do Rio Vermelho, muito mais visível aqui são os Pinus sp (foto), aliás parte do assunto do treinamento (foto).

Cheguei ao destino antes do horário, afinal de bici não existe congestionamento(fot0). Aproximadamente 20km em 56min.

No retorno pouco antes das 19h já estava “noite”, voltei pedalando e relembrando detalhes do curso e tive que parar na beira da Lagoa junto a placa que indicava que a água não tem balneabilidade, imaginem o resto, e no dado do futuro do planeta. Nos próximos 25 anos metade da população da terra não terá acesso a água!!! Depois de 1h10min, cheguei no trevo onde pensei em fazer um lanche mas, apenas brindei mais um dia!

Na quarta feira retirei os alforjes que se soltaram em um quebra molas na Praia Mole e descobri que além de quebrar molas eles arrebentam alforjes também ,,,, hahehahe …. Saí 6h40min, iniciando meu dia e pedalada pela rua Osni Ortiga, uma das mais perigosas vias de Floripa em função do desrespeito ao CTB por grande parte de MALtoristas que passam por ela diariamente (foto). Uma paradinha depois da descida ao lado da Lagoa, para ajustar um extensor da bolsa estanque, específica para transporte de equipamento sensíveis presa no bagageiro.(foto). No caminho fui cruzando com diversas aves que ainda “tinham” paz nas margens da “estrada” e que sobrevivem em meio aos Pinus sp, uma espécie exótica invasora que é um dos maiores problemas ambientais de SC. A introdução de espécies exóticas, é a segunda maior causa de perda da Biodiversidade no planeta! E o Pinus, assim como outras espécies cultivadas sem manejo adequado, são uma “desgraça” ambiental. Foram 20km em 51 min de pedal, cheguei antes do horário combinado, tomei um banho de pia e tomei um café recém chegado da cozinha do hotel. Coloquei meu veículo numa sala de recreação, estacionamento seguro e com direito a secar a roupa hahaha (foto).

Nas três fotos mais escuras detalhes do desrespeito noturno por parte dos motorizados, apesar da placa indicando a travessia de pedestres a velocidade não é diminuída, somente quando há um quebra molas é que esta ocorre, então quanto mais quebra molas nas ruas melhor será. Logo depois da Praia Mole iniciando mais uma subida um ônibus me ultrapassou e em seguida um motoqueiro passou raspando bem rápido por mim, ainda pensei, -que idiota ainda vai se matar ou atropelar alguém. Dito e feito, lembram do ônibus? Pois o mesmo na subida acaba reduzindo a velocidade e o motoqueiro não.  Vi o mesmo bater na traseira do ônibus e atravessar a pista deitado junto com a moto parando quando chegou no muro do outro lado, ainda bem que não vinha outro carro no sentido contrário. Parei a Bicicleta imediatamente no acostamento e fui para o meio da pista sinalizar parando outros motorizados evitando o atropelamento do motoqueiro, com o ônibus mais acima parado atravessado na pista (foto). O motoqueiro falou não chamem a polícia eu bebi um pouco e só quero ir para casa. Uma viatura que passava no local foi avisada quando este tentava se “evadir”. Depois de quase atingido continuei minha pedalada e na rua Osni Ortiga o festival de irresponsabilidades continuava, carros sempre acima do limite de velocidade, ultrapassando na curva com faixa dupla e ainda com visibilidade restrita por ser noite (foto). Parei no shopdog, onde um funcionário teve a esposa grávida e sogro envolvidos em mais um incidente de trânsito, com um outro carro atingindo-os por trás. Reparem como apenas em 20 km urbanos, em pouco mais de uma hora “tanta”coisa acontece simplesmente por egoísmos individualistas!!!

Desta vez brindei por mais um dia e por não ter sido atingido por este motorizado.

Durante a quinta e sexta algumas imagens e atividades foram registradas. Cedo no Centrinho da Lagoa, a placa que indica a balneabilidade imprópria de suas águas.

Da pedra caprichosamente “colocada” sobre o Morro.

Uma das atividades, trata do controle e erradicação de espécies exóticas invasoras, que são contaminantes biológicos alterando as características dos ambientes onde foram introduzidas, proposital e até “acidentalmente. O caso mostrado aqui é de uma árvore introduzida com a finalidade de “segurar” dunas e atualmente é mais um problema do que a solução imaginada.

Esta árvore é o Pinheiro Australiano – Casuarina equisetifolia. (clique no nome para informações)

Nas fotos podemos ver o trabalho de retirar “apenas uma árvore”, de dentro do Parque Estadual do Rio Vermelho. 1- a árvore crescendo e competindo com a vegetação local. 2- o corte feito com moto-serra. 3-  a aplicação de herbicida específico e 4- com controle para não afetar as outras espécies do local (Existe Lei autorizando seu uso no interior das UCs). E assim deverá ser feito com todas, lembrando que:

A Introdução de espécies exóticas invasoras atualmente é a segunda maior causa de perda de Biodiversidade no Planeta.

Biodiversidade é Vida.Biodiversidade é nossa Vida!

A Brachiaria brizantha, uma herbácea forrageira introduzida no Brasil, na foto acima, podemos observar as “manchas” verde claro alastrando pelo solo. E o caramujo Africano –Achatina fulica, espécie animal também introduzida para servir como alimentação e hoje é praga tranmissora de doenças, que inclusive causam mortes nos seres humanos, este molusco está disseminado por todo o País.

Estes “Ciprestes”são uma nova descoberta de plantas invasoras (?), todos os especialistas envolvidos no curso desconheciam para a região esta espécie.E assim Floriculturas, Petshops, agroindústria, raramente sem saber, estão contribuindo (junto de outros atores) para a “destruição” da Biodiversidade que demorou milhões de anos para atingir o equilíbrio.

O que está em jogo não é o Planeta, é simplesmente a Biodiversidade que habita a terra e nela está incluída e correndo sério risco a espécie Humana! O tempo de alerta já passou, ou a toda a Sociedade aceita o desafio de “combater” as causas do “ataque” ao equilíbrio ambiental da terra ou …………………

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Rio Vermelho Recuperado. « danielbiologo2 said, on 7 de junho de 2012 at 08:31

    […] Post “Ao trabalho de Pedal”, aqui falo um pouco sobre o gigantesco problema do Pinus, es… […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: